outubro 17, 2007

Como explicar a ED BANGER à minha mãe...


“Mãe, a Ed Banger é uma editora de discos baseada em Paris. Fundada por um rapaz chamado Pedro Winter há quatro anos, numa altura que o merca-do discográfico estava em crise. Foi considerado um acto de bravura. A Ed Banger instalou-se num talho. Produzem música e apostam em nomes novos, mas os artistas vão envelhecer, não te preocupes, os artistas começam a ganhar corpo, são bons, vão durar.
O Pedro Winter tinha experiência, foi manager durante anos daquela banda de robots com quem simpatizas, os Daft Punk. Chamam-lhe Busy P, ias gostar dele, mãe! Se olhares bem à tua volta, percebes, o mundo está invadido, Ed Banger, um vírus. O melhor som para o maior número de pessoas.

O sebastiAn é um dos talentos da editora, tem 24 anos, produzia rap até se descobrir uma demo dele num amontoado de discos. Assinou-se um contrato em minutos. Na música que compõe e nas sessões de DJ que faz, brinca com o som, cria techno destorcido, com violinos e pequenos barulhos “disco”, quando o corpo se habitua ao ritmo, ele vira-nos ao contrário. É conhecido pelas remixes, todos querem ter o toque dele. Kelis, The Rapture, Klaxons e a remistura de «Human After All» tornou-o no preferido dos Daft Punk. «Smoking Kills» foi o single que criou o rumor. É um título para ti mãe! Tu não fumas! O SebastiAn vai estar em Lisboa, sozinho, mas chega com o vento da editora. Traz o espírito das festas Ed Banger.

Sabes, aquelas cruzes pretas que tens visto em discos espalhados por minha casa, não são símbolos de um grupo religioso novo! Não! São a imagem de marca dos Justice (deves pronunciar à francesa, pois são dois rapazes franceses). São eles as estrelas da editora, um fenómeno. Têm aquele videoclip com dois corpos que descem escadas, andam em corredores com t-shirts a mudar, todas elas bem giras, todas elas dão bom ar, todas elas postas à venda em edições limitadas. Tenho um amigo que era capaz de matar para ter uma assim, só para teres ideia do género fanático.
Os realizadores do videoclip passam tudo o que encontram para dentro de computadores. Fazem animações a partir de jornais velhos e embalagens vazias. Lembram-nos a todos o início de Michel Gondry, o realizador de clips preferido da Björk. Lembras-te do ursinho? Jonas & François, decora o nome deles. O cérebro que criou as t-shirts do clip, as capas dos discos, a cruz, chama-se So Me. É o director artístico da Ed Banger, antes mesmo de se gravar música, ele quis criar uma identidade visual forte.

A Ed Banger é um projecto artístico global, vai estar em todo o lado. Até tu já tens um pin na tua carteira verde, com a frase “internet killed the video stars”, achaste piada por causa da canção. Se um dia um miúdo moderno te tentar roubar a carteira, mãe, não leves mal, deve ser um coleccionador.
Se quiseres dar uma vista de olhos no myspace para ter noção da dimensão dos fãs, eu passo-te a minha password. Barcelona, Tokyo, Londres, a seguir somos nós. O vírus Ed Banger está a crescer no nosso país. São muitos os estudantes de Erasmus que voltam para cá infectados. Talvez te assustes ao princípio, talvez te pareça violento, mas mãe, agora que tens as batidas de coração no bom caminho, queria muito convidar-te para uma noite de clubbing comigo, para vermos o SebastiAn no Lux, no dia 19.
Tiago Manaia

2 comentários:

afonso disse...

so nice...

Ryt@ disse...

Não me leve a mal, mas porque raios é que se refere aos estudantes de "Erasnus" como os principais infectados??? Não subestime o gosto do povo português aquém fronteiras... e, além disso, vivemos num Mundo Global... Ora essa!